7 hábitos perniciosos que destroem até mesmo os melhores dos relacionamentos

Todos que já estiveram em um relacionamento sabem como o ato de conviver com alguém pode ser um verdadeiro desafio. No entanto, se não temos consciência das ações que mantêm o relacionamento equilibrado, podemos acabar acreditando em diversas tendências distorcidas e adotando hábitos tóxicos que podem prejudicar não só a outra pessoa, como também a nós mesmos.

A seguir, você verá alguns hábitos que podem literalmente afundar um relacionamento e, que se você se der conta o quanto antes de seus prejuízos, poderá acabar salvando uma relação com um futuro promissor. Veja só:

7 – Ficar se comparando

Não importa se você compara seu relacionamento atual com o do seu amigo, dos seus pais, de filmes românticos ou até mesmo com seu próprio cenário ideal que você criou na cabeça – na maioria das vezes comparar-se é destrutivo e impede que você aproveite o momento.

É necessário entender que a relação de pessoas e familiares que parecem ser exemplares por fora, nem sempre são apenas rosas. Afinal, nunca conheceremos a história completa dos outros – como se comunicam, convivem e o que fazem juntos. Além disso, cada relacionamento é único, portanto, trate de focar em melhorar o seu: o único que você pode mudar.

6 – Viver de aparências

Esse é um hábito muito perigoso, pois, além de ser uma farsa óbvia para seu parceiro (a), pode acabar fazendo você acreditar estar vivendo uma realidade que não existe – pelo menos não ainda. Você precisa, novamente, focar na vida de vocês dois juntos e o significado que esse relacionamento possui – independentemente do que todo mundo de fora pensa.

5 – Cair na rotina

Quando aquele sentimento ardente de paixão passa após alguns meses, geralmente o casal fica mais “manso”, com cada vez menos eventos especiais acontecendo entre os dois. O problema é que quando justificamos esse hábito de conforto e rotina repetitiva, geralmente dizemos a nós mesmos coisas como: “casamento é assim mesmo”. Mas, na realidade, é apenas uma desculpa que o casal faz para evitar o “trabalho” de crescer juntos – que geralmente traz novamente a vivacidade da vida, a chama da paixão e a proximidade de um casal apaixonado – algo que, sim, pode ser aceso novamente. É só escolher fazer diferente.

4 – Subestimar o poder da ternura

O casamento sem paixão pode não apenas ser chato, mas também desagradável. A intimidade é essencial para os relacionamentos. É ela quem distingue um colega de quarto de um casal apaixonado. Abraços, beijos, carinhos e pequenos toques são fundamentais para felicidade de ambos.

Cientistas e psicólogos provaram que abraços com pessoas que são agradáveis ​​e queridas para nós agem não apenas no nível psicológico, mas também no nível biológico: os hormônios da felicidade são liberados e nos tornamos menos suscetíveis a doenças e estresse. Portanto, desenvolva a ternura – uma chave para o amor a longo prazo.

3 – Ofensas

Conflitos e desencontros de opinião inevitavelmente acontecem entre as pessoas – desde pequenos e irrelevantes até aqueles que colocam o casamento em jogo. Mas, mesmo quando parece que é impossível impedir uma briga ou pelo menos “apagar o fogo” e sanar o problema rapidamente, é importante parar por um momento e tomar consciência da situação.

Em que momento você perdeu completamente o controle de si mesmo durante a última briga e partiu para as ofensas? É compreensível que pode ser difícil controlar-se através de uma série de acusações e frases indesejadas feitas pelo outro. No entanto, a maneira mais sensata de resolver isso é parando de alimentar a intriga e desenvolvendo o hábito de não se sentir ofendido por palavras de ofensa – e responder com calma. Pode ser difícil, mas lembre-se que um relacionamento deve existir sempre para que ambos cresçam e isso se torna impossível se um casal vê um ao outro como inimigos.

2 – Dramas, dramas e mais dramas

Algo completamente destrutivo para uma relação à dois é quando um dos parceiros está insatisfeito com algo em particular e resolve jogar suas frustrações no outro, usando alegações absolutas em formas de frases como “você sempre” e “você nunca”.

Há uma lógica para esse tipo de afirmação, no entanto. Segundo psicólogos, ao proferir essas frases, paramos de falar na linguagem dos argumentos com razão e falamos na linguagem das emoções. Todo esse excesso de descontrole emocional acaba criando dramas intensos e desnecessários, com ambos interpretando as palavras escolhidas incorretamente pelo outro.

Mal-entendidos acontecem, isso é normal. Apenas aprenda a evitar rótulos absolutos e chantagens – se conseguir controlar suas reações, não alimentará mais toda a atuação do drama do parceiro e o relacionamento certamente se tornará mais forte, com a compreensão mútua alcançando um novo nível.

1 – Raiva e agressividade

Todo mundo diz que desabafar é algo útil e necessário. Mas será que entendemos corretamente essa expressão? Bem, nem sempre. Alguns acabam indo além, gritando um com o outro e criando um espaço onde a raiva mútua predomina.

Lembre-se que jogar a raiva no outro para “desabafar” somente a alimenta e leva ao ódio, que leva ao sofrimento de ambos. Portanto, quando estiver mais equilibrado internamente para discutir de forma construtiva e razoável um problema a ser resolvido, faça-o. No entanto, se no momento você estiver furioso e não conseguir ser capaz de ouvir a voz da razão, evite falar qualquer coisa com o outro.

Peça para seu parceiro deixá-lo sozinho por um tempo ou ir para outro quarto ou outro lugar – o local não importa. Assim, você restabelece seu centro de firmeza interna, voltando depois mais calmo para lidar com a situação sem alimentar a raiva.

[ADME]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.